Máxima na Mídia

02 Jan 2017

O que podemos concluir na retrospectiva econômica de 2016 por Saul Dutra Sabbá

Saul Sabbá, presidente do Banco Máxima, faz uma retrospectiva econômica do ano que se encerra e projeta alguns possíveis cenários financeiros para o Brasil.
Já era esperado que 2016 seria um ano difícil economicamente, depois de tanta tensão acumulada no processo do impeachment que se arrastou em 2015. O interessante é que o ser humano mantém a esperança e o ano novo renova este sentimento de uma maneira curiosa: as nossas expectativas são reajustadas de acordo com as possibilidades do novo ano e não como resultado de todas as decisões que fizemos no anterior.

O circuit breaker da bolsa chinesa logo na primeira segunda feira de 2016 foi, entretanto, um choque de realidade. Todo o mundo foi afetado e pego de surpresa pelo inédito encerramento das atividades da Bolsa de Valores da China, que acarretou queda da BM&FBovespa e disparou o dólar para acima dos R$ 4,00. Como se essa notícia não fosse o bastante, logo em seguida o governo brasileiro acabou com a isenção fiscal para despesas educacionais, hospitalares e de serviços turísticos no exterior.

Até a conclusão do impeachment o Brasil sofreu as piores perdas de credibilidade na economia. A recusa do governo em assumir a gravidade da crise sofreu um baque quando a Moody’s cortou dois níveis da nota brasileira e passou a classificar o Brasil como “junk”. Perdemos o grau de investimento e com ele a credibilidade, mas, especialmente, o capital.

O impeachment foi a grande reviravolta que o Brasil sofreu em 2016. A quebra no poder foi dramática em todos os sentidos, especialmente na nossa política econômica. O Governo Dilma protelou em admitir a crise, em executar medidas que a contivesse ou mesmo em planejar a recuperação do país. Temer assumiu com o compromisso de executar as reformas fiscal, previdenciária e conter os gastos públicos em um dos piores momentos políticos pelo qual o país já passou.

A sensação de confiança do mercado, entretanto, deu os sinais positivos que o governo precisava para iniciar com a chamada PEC do Teto e, com isso, criar sua primeira grande crise.

Não é de se espantar que o país fervilhou nesse período. A internet e as redes sociais amplificaram a mudança do comportamento dos cidadãos e mostraram que o eleitor tem exigido participar dos processos políticos. A nova geração não apenas compartilha informação e promove manifestações através dos aplicativos, mas eles modificaram a maneira de se relacionar com o mundo e fazer negócios em 2016. As redes tradicionais de televisão, por exemplo, se sentiram ameaçadas pelo Netflix e, ao mesmo tempo que fizeram mudanças para atrair o consumidor, pressionaram o plenário para proteger os interesses do segmento.

É interessante notar como é a tecnologia quem vem mostrando que o país só perde pela maneira como alguns segmentos econômicos são estruturados no Brasil. O próprio sistema bancário é alvo de análises nesse sentido, já que a alta concentração tem sido acusada de ser a grande responsável pelas dificuldades na obtenção de créditos. Repensar o sistema bancário, com desintermediação bancária e facilitação de levantamento de capitais pode ser uma alternativa à crise e que acompanha a evolução da sociedade nos últimos anos.

O Novo Mercado da Bolsa de Valores também sofreu algumas reformulações em 2016. Foram medidas importantes que protegem os minoritários, uma bandeira que carrego desde o início da minha carreira, pois acredito que dá credibilidade ao mercado. As questões de governança corporativa estão muito em alta no momento e precisam ser debatidas com seriedade e cautela, não apenas por motivos midiáticos. A Bolsa brasileira ainda precisa muito evoluir, especialmente no mercado de balcão. O ano de 2016 mostrou que a economia da tecnologia tende a crescer e necessita de uma Bolsa que atenda suas especificidades.

Como dizem os nossos jovens, 2016 chegou na season finale. Foi um ano agitado, intenso, acelerado, mas parece ter cumprido o seu propósito: chacoalhou as coisas, mexeu com as pessoas, acordou o país. Como bom brasileiro, vou olhar para 2017 com as possibilidades que ele nos traz. Um novo, em branco, para ser escrito com a sabedoria que 2016 nos deu.

Feliz ano novo!

Fonte: DINO – Divulgador de Notícias